Como moradores do RJ transformaram lixão em um parque ecológico premiado internacionalmente

Padrão

Quem passa por um lixão dificilmente imagina o potencial de transformar lugares assim. A não ser que essa pessoa seja o músico Mauro Quintanilla, vizinho do lixão que, há 25 anos, ocupava o alto do Morro do Vidigal, no Rio de Janeiro. Ele acompanhava a rotina do local, em que grandes quantidades de lixo eram acumuladas todos os dias, com certa indignação, até que decidiu tomar uma atitude.

Com a ajuda de alguns poucos amigos, o músico formou um grupo para retirar o lixo do local. O trabalho durou cinco anos e retirou 16 toneladas de resíduos da área, que foi batizada de Parque Ecológico Sitiê. Foi a origem de um projeto comunitário que uniu reflorestamento, reciclagem e agricultura urbana.

Hoje são 8,5 mil metros quadrados de parque, com reaproveitamento de itens que estavam no lixão, como pneus velhos, que foram transformados em escadas ou sanitários, que viraram vasos para plantas. A horta localizada no local já ofereceu à comunidade 700 quilos de alimentos. A vista do parque ecológico é privilegiada e permite admirar de cima bairros como Ipanema e Copacabana em um mirante sempre pronto para receber os curiosos.

O projeto já foi até mesmo reconhecido com o prêmio de design sustentável internacional SEED, em Detroit, Estados Unidos, no início deste ano. Dá uma olhada no resultado:

verde1

verde2

verde4

verde5

verde6

verde7

verde8

verde9

verde10

verde11

Todas as fotos: Divulgação/Parque Ecológico Sitiê.

Anúncios

7 comentários sobre “Como moradores do RJ transformaram lixão em um parque ecológico premiado internacionalmente

  1. É disso que eu falo! Olha que trabalho lindo! Demorado e, com certeza, não foi fácil, foram 5 anos muito provavelmente não apenas pela quantidade, mas a conscientização dos moradores. É tirar em um dia pra outros dois virem e colocarem o dobro no dia seguinte. Trabalho de formiguinha, mas funciona e como funciona. Ainda tem a contaminação do solo e escolher espécimes que neutralizem e retirem esses componentes do solo. Isso tudo leva tempo e trabalho. Mas quer saber? O trabalho é a melhor parte. 😉
    Adorei, é bom sempre lembrar dessas iniciativas pra dar mais força e “dizer” : pode sim!
    Beijo flor. ❤

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s