O amor de Oppenheimer — Contos sobre nada

Padrão

Estou exausto demais para existir Há uma ancora em meu estomago Afundando almas até as entranhas. Terror não é uma boa descrição, Para aquilo que os astros sentem Quando os mundos se destroçam. E eu estou sendo impiedosamente Impelido contra esse buraco negro Crescido na estrela morta do amor. Das fissões caóticas […]

via O amor de Oppenheimer

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s